quinta-feira, 18 de junho de 2009

Como testar seu obstétra!!!!

Quando pensei em engravidar do meu segundo filho eu fui até uma médica muito conhecida na cidade que eu morava (Jataí - GO). Ela era uma médica carinhosa, simpática e parecia sempre muito preocupada com o psicológico da paciente também! Logo de cara, na primeira consulta, perguntei se ela faria um parto normal após uma cesárea! Cesárea essa que teria por volta de 6 anos quando o outro bebê nascesse! Primeiro ela perguntou o motivo de eu querer ter um parto normal. Eu disse que gostaria de ter muitos filhos e como a cesárea é uma cirurgia eu sabia que não poderia ficar abrindo e fechando minha barriga! Ela então perguntou o motivo da minha primeira cesárea e eu respondi que foi eletiva e sem motivo nenhum! Aí ela veio com o papo de que era possível sim um PN a´pos cesárea, mas teria que seguir algumas regras:
- sem indução
- sem bolsa rota antes do trabalho de parto
- o trabalho de parto e expulsivo deveria durar no máximo 8 horas, mais do que isso ela operaria, mesmo que a dilatação fosse total!
Depois ainda descobri mais algumas coisinhas (com 40 semanas de gestação):
- ela usaria o fórceps pois era procedimento dela.
- episio, lógico!!! (por causa do fórceps)
- ela era contra PN e contra ter muitos filhos!!!!!
E ainda por cima ela veio com a história de colo grosso e bebê alto, falando de um possível prolápso de cordão (quando o cordão sai antes do bebê e cabeça do bebê acaba comprimindo o cordão) e a frase mais temida por qualquer gestante: morte do bebê!!!!!
Nisso eu já estava de 40 semanas e ela só esperaria mais uns dias. Agora imagina essas informações para uma gestante de 40 semanas? Marquei a cesárea para dali 5 dias!
Tudo isso foi uma pena, mas acho que lá realmente a coisa era difícil! Algumas histórinhas de amigas minhas: dilatou rápido e (ainda não sei o motivo) o médico fez a manobra de Kristeller (empurrar a barriga da parturiente), mas foi com tanta violência que o bebê saiu rasgando tudo! Ela levou muitos pontos, teve um problema nas costas devido à manobra e andava como se tivesse tido uma cesárea, mesmo uma semana após o parto. Mais uma: uma moça que estava internada no mesmo hospital que uma amiga. Ela estava internada há 3 dias com contrações, mas o médico a animava muito dizendo que nunca tinha visto um útero tão lento como o dela! Nesse hospital que ela estava só fazia cesárea se pagasse e era um hospital terrível, sem o mínimo de higiêne! Essa minha amiga internou para induzir e acabou pagando a cesárea, como é de se esperar quando tem uma indução super mal conduzida!
Mas histórias assim se escutam todos os dias em todos os lugares do Brasil! Coisas como: bebê com o pé enroscado na costela da mãe (como isso pode acontecer? Esse bebê deve ser especial, pois conseguiu atravessar o útero!!!!!), bebê grudado na placenta (mas não é assim que deve ser? bebê grudado na placenta pelo cordão umbilical!!!), placenta velha (já ouvi história de palcenta velha grau II - vai até grau III), pouco líquido, muito líquido, bebê com pouco espaço lá dentro(!!!!), bebê que passou do tempo com 40 semanas (a gestação humana normal vai de 37 à 42 semanas), bebê grande demais, fora aqueles obstétras que vão mudando a data prevista para o parto aí chega em 37 semanas, mas nas contas "mágicas" do médico a gestante já está com 40 semanas!!!
É! Tudo isso pode ser evitado! Mas é muito difícil imaginar que em um Brasil tão grande, com tantos médicos, tão poucos acompanhem partos normais, e menos ainda acompanham partos humanizados! Nós tentamos acreditar que aquele módico que nos acompanha há tanto tempo vai nos respeitar, mas não é assim que funciona!
Existem algumas perguntas elaboradas para testar seu obstétra! São perguntinhas básicas mas de cara dá para perceber que tipo de médico é o que está te acompanhando! Essas perguntas devem ser feitas aos poucos e você deve ter um ouvido muito seletivo para perceber se ele não está respondendo apenas oque vocÊ quer ouvir! Essas perguntas estão no site Amigas do parto e você pode vê-las aqui.

2 comentários:

Lívia mamãe do Uriel disse...

O pior é que esses médicos geralmente são mais antigos, então sabem jogar com o psicológico das gestantes. Ainda mais pq ficamos muito mais sensíveis quando grávidas!
Muito triste, né?!
Beijinhos

Anne Oliveira disse...

Olá, gostei muito do seu post...sei que pode parecer antiético mas peço que me informe o nome dessa médica...moro em Jataí e estou planejando ter filhos em breve. Quero fazer de tudo para que meu parto seja natural, então o quanto puder evitar esses médicos melhor!
Abraços!